Trindade Celebra 91 anos

Nesta quarta-feira (31/08) Trindade completa 91 anos de emancipação política. Confesso que tentei prestar uma homenagem muito especial à minha terra natal, a cidade que, de uma maneira muito específica, participou da minha vida desde a infância e continua presente agora. Contudo, percebi o quanto é difícil homenageá-la, devido a sua significativa representatividade.

É bem verdade que, na tentativa de reconhecer a sua grandeza, muitas idéias povoaram a minha mente. Mas nenhuma foi capaz de retratar com exatidão a minha admiração diante de sua singular importância.

O nome “Trindade” não significa apenas “três santidades”. Trindade tem o seu nome originado num dos maiores mistérios do cristianismo, o que ensina a união de três pessoas distintas numa só natureza – Pai, Filho e Espírito Santo. Isto nos leva a pensar numa cidade unida em torno de um só ideal.

No último censo Trindade contou com mais de cem mil habitantes. Um povo miscigenado, composto de diversas etnias, assim como todos os brasileiros. Uma cidade reconhecida por seus habitantes pelo sincretismo religioso que abriga. A tolerância religiosa é um de seus principais atributos. Sua bandeira traz duas mãos entrelaçadas, representando a concórdia e a fraternidade.

Relembrando um pouquinho da história, antes éramos Distrito de Barro Preto, as funções administrativas ficavam centradas no governo da Província, com sede em Vila Boa de Goiás. Somente em 1910 houve o desmembramento para Campinas, da qual continuamos distrito. Com a emancipação política, ocorrida em 16 de julho de 1920, foi criado o “Conselho Municipal de Trindade”, no dia 31 de agosto de 1920. A Câmara Municipal de Trindade, sob os ditames constitucionais de 1946, só ocorreu em 07 de dezembro de 1947. O primeiro prefeito (1920-1923) foi Anacleto Gonçalves Almeida.

Observando a nossa Trindade no dia em que completa 91 anos, livre das falsas peias das conveniências político-partidárias, posso afirmar sem nenhuma dúvida que há muito que comemorar. Nossa cidade e nossa gente são motivos para a nossa celebração!

Que Deus abençoe a todos os trindadenses!

Saiu na Revista Acontece que Flavia Morais não será candidata a prefeita de Trindade

No congresso realizado na assembléia legislativa no ultimo dia 06 de agosto sábado ás 10 horas da manhã pelo PDT.

Foram unânimes as conversas de corredores e bastidores.

A deputada federal é muito querida pelos companheiros de partido e do ministro do trabalho Carlos Lupi, vários exemplos foram dados de deputados que estão ai a mais de 4 mandatos sem precisarem de prefeituras, então tudo leva a crer que o apoio será dado a alguns candidatos a prefeitos de vários municípios para fortalecer ainda mais a base do partido em 2014.

Dicas Para Uma Boa Caminhada

A prática regular de atividades físicas contribui para a prevenção doenças, combate a obesidade e melhora a auto-estima, especialmente de pessoas na melhor idade. Exercícios regulares são fundamentais para uma vida saudável e um corpo em forma. Mas a prática requer cuidado, porque exercícios malfeitos podem trazer riscos à saúde.
E qual é a prática mais adequada à terceira idade? Sem dúvida alguma, a caminhada — uma das atividades físicas que apresenta os índices mais satisfatórios em ganho de qualidade de vida, especialmente por ser uma aliada importante no combate ao sedentarismo. No entanto, se não for praticada de maneira correta, o hábito de caminhar pode trazer problemas para a saúde das pessoas.
Por que é importante caminhar?

Flávia é a Magda “de” Trindade

Matéria Extraída do Jornal Opção

O prefeito de Trindade, Ricardo Fortunato, começa a ser chamado de Evandro Magal (PP). E a deputada federal Flávia Morais já é nominada de Magda Mofatto (PTB). É que Magal e Mofatto, a dupla dinâmica que se xingava dos nomes mais sujos… do “Dicionário de Palavrões”, se uniram na eleição de 2008 e o primeiro perdeu a eleição para prefeito de Caldas Novas para o anódino Nei Viturino.
Desgastado, o desafortunado Ricardo tem encomendado pesquisas e descobriu o óbvio: não tem a mínima chance de ser eleito.

Difícil Aceitar, Impossível Compreender!

“De repente nossa vista clareou, clareou, clareou (…) E descobrimos que a riqueza do patrão e poder dos governantes passam pelas nossas mãos”. Canto das CEBs

Trindade, uma cidade de mais de cem mil habitantes, vive o drama do crescimento desordenado.
Dividida ao meio, a parte histórica possui, pelo menos em sua maior parte, a urbanização e infraestrutura a que todo cidadão tem direito: hospitais, escolas, asfalto, esgoto, transporte, coleta de lixo. Mérito dos governantes? Não! Mérito do povo que lutou, pressionou reivindicou e paga impostos para que esses serviços sejam executados. Muitos de nós atuamos nessas lutas . Conhecemos de perto o processo de mudança daqueles que, sem ética, nem compromisso, fogem do povo e passa a vê-los como inimigos quando fazem alguma crítica ou cobram promessas de campanha.
Na outra metade de Trindade vivem cerca de 50 mil pessoas que trabalham, pagam impostos e lutam por uma vida digna a que tem direitos.Estranhamente, essa outra parte da cidade não recebe a atenção nem os mesmos cuidados destinados à parte histórica. Uma breve visita aos bairros mais afastados da rodovia e se percebe a discriminaçãoadministrativa naquela região.
Recentemente, o executivo de Trindade enviou um projeto de lei à Câmara Municipal concedendo à Clínica Nefron – uma clínica particular especializada em doenças renais – uma área de trinta e um mil metros quadrados, (pasmem:mais de meio alqueire de terras!) com a justificativa de que seria de grande valia para a população. O projeto foi aprovado, apesar das críticas de uns poucos vereadores e da recomendação contrária do Ministério Público e da procuradoria jurídica da Câmara. Um afrontoso desrespeito à lei na Casa de Leis!

Perguntas que não querem calar:

  • Para conceder título de cidadão trindadense o legislativo exige o currículo dos homenageados, sua história de vida e serviços prestados à cidade. Alguns até pedem vista do processo, como foi feito nas homenagens aos padres
  • Estranhamente, para a concessão de tamanho benefício a esta empresa particular da área de saúde, nada foi pedido, nem mesmo o CNPJ! Mais grave ainda: por que não se investigam informações de que esta empresa tem problemas na justiça em Rondonia e no Distrito Federal?
  • Esta empresa é uma rede que tem filiais em Natal, Distrito Federal,Minas e em Pelotas, no Rio Grande do Sul?
  • O Trindade II precisa mesmo de um hospital, de laboratórios, de melhor atendimento à saúde. Por que então esta área imensa não foi destinada a um hospital público?
  • Porque não buscar apoio de parlamentares da base aliada do governo federal com emendas que garantiriam sua construção?
  • Se o executivo tem tanto interesse pelos doentes renais, porque não apoia Associação dos Renais Crônicos de Trindade e nem levou em consideração o pedido para a construção de sua sede?
  • Por que foi cancelada a doação de cestas básicas aos associados comprometendo a segurança alimentar de muitos deles?
  • Por que não agilizar a implantação da UPA – Unidade de Pronto Atendimento – já aprovada pro município?
  • Por que o município é tão generoso em doar 31 mil m² a uma clínica particular e nega 1.300 m² `a ADEFTRIN com seus mil e trezentos filiados e uma história de lutas pelos deficientes de Trindade?
  • Por que não se fez audiência pública sobre esse projeto?
  • Será que a Nefron vai ser solução para os mais pobres se cada sessão de hemodiálise custa $400,00 quatrocentos reais?

Tantas perguntas …nem uma resposta!

 

Até compreendo porque alguns vereadores votaram a favor desse projeto.Provavelmente,tiveram receio de sofrerem retaliações e a população acusá-los de não querer resolver um problema tão sério como é asaúde.Entretanto, é preciso abrir o olho!

O direito à saúde precisa ser assegurado pela rede pública. Infelizmente, a privatização da saúde favorece o enriquecimento de muitos empresários que fazem da doença fonte de lucros. Agora, dizer que é isso um “BEM” pra população é querer enganar o povo, já tantas vezes enganado!

 Texto enviado por:
Joana D´Arc Aguiar de Souza
Educadora, filiada à Associação de Mulheres na Comunicação
Representante de Goiás no Forum Brasileiro de Economia Solidária